segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

A palavra de um real manuseador de palavras-Josué

A morte é perpendicular. Minha bebedeira me lembrou o quanto ser humano é desprezível e odiável. O tanto que somos fracos e vulneráveis a algo que sequer podemos ver. O quão facilmente ludibriáveis somos. Como é fácil nos deixar enganar. Lembrei-me que escrever, quando se escreve pensando em alguém que se sente saudade, dói. Eu me lembrei de muita coisa quando bebi, e me esqueci de outras mais, como quem me trouxe em casa ou quem eu era. Eu não bebi por nada. Não queria chegar a lugar nenhum. Só não queria me lembrar dela quando estivesse naquele estado. É degradante ser assim, humano. E mais degradante que ser humano, é ser assim, um humano com saudades. Pior que um humano com saudades, é ser um humano que não aceita sua condição e suas fraquezas e tenta esquecer o que lhe gravaram. Ah, incondicionalmente humano, demasiado insistente, quiçá, normal. A morte trás tudo ao normal, perpendicularmente, abrupto, doce como um cálice de vinho. Adocidado com veneno, sobressaltemos. Ahh, palavras. Simples assim.

5 comentários:

Simples assim. disse...

Eu sou o cara

^^

Njord Cadarn disse...

Muito massa Zu!!!!
gostei muito!!!

Frodominator disse...

O ser humano não é tão fraco...
não compartilho desta sua visão
tenha fé em si mesmo

Here we are now... Entertain us disse...

AHHH! me rendi ao blog também
^^
te amo mocinha

marcel_o_unico disse...

Adorei esse *-*